INOVA RS

InicialINOVA RS

INOVA RS

  • 04 May 2021

BOLETIM INFORMATIVO INOVA RS – SERRA E HORTÊNSIAS Dúvidas ou sugestões , entre em contato com os Ge tores de Inovação e Tecnolog i a da re g i ão Serra e Hortênsas pelo e-mail: inova - seh@s i c t. r s . gov.br As etapas do projeto da Indústria 4.0 FORMAÇÃO Este eixo tem o objetivo de difundir o conceito de Indústria E CAPACITAÇÃO 4.0 e disseminar informações sobre as suas possibilidades por meio de eventos, painéis, workshops 4.0 e visitas tecnológicas. Nessa frente, o Inova RS Serra e Hortênsias já se organizou para apoiar a realização de um primeiro evento, promovido pela Prefeitura de Veranópolis e ACIV: "Como implantar os conceitos de Indústria 4.0 na sua empresa". A palestra acontecerá no próximo dia 27 de maio e será divulgada posteriormente. Atuando nesta frente estão o líder executivo Felipe Andreolla (SENAI) e o líder técnico Silvio Pasin (SP Consultoria). DEMONSTRAÇÃO E DISSEMINAÇÃO Mapeada a maturidade da indústria regional e as expertises dos provedores de soluções, é possível orientar as instituições para oferta de cursos e capacitações direcionados às necessidades reais da indústria. Nesta etapa se discute a preparação de empresários, profissionais e alunos para a transformação tecnológica e digital. Também se idealiza a criação de hubs de conhecimento. À frente deste eixo do projeto está o líder técnico Elisandro Vargas (IFRS).secretaria de inovação rs/ SICTRS. A primeira etapa do projeto consiste em identificar quais dados são importantes e devem ser coletados pelo Sistema de Inteligência Turística. Além disso, tópicos como a periodicidade da coleta, quais são as fontes dos dados e qual a relevância da informação para a tomada de decisão do setor devem ser levantados. Liderando este pacote de trabalho está Emerson Monteiro (SEBRAE/RS), que conta com auxílio de todo grupo de trabalho do Turismo. MAPEAMENTO Esta fase contempla a busca e consolidação de parcerias para realizar as entregas do projeto. Atualmente, o foco de trabalho é a construção de uma Governança para o Ecossistema de Turismo da Região Funcional 3, que envolve Serra, Hortênsias e Campos de Cima da Serra. Dentro deste pacote de trabalho, reuniões estão sendo realizadas para conectar pessoas e iniciativas, buscando gerar acordos estratégicos para execução e desenvolvimento do projeto. À frente dessas discussões estão o líder executivo do projeto, Alessandro Dalla Santa, e outros líderes de iniciativas e projetos do Turismo da região, parceiros do Inova RS. CONEXÕES E PARCERIAS Dentro deste pacote de trabalho serão realizadas a mineração, limpeza e classificação dos dados coletados, para entender de que forma podem ser utilizados na plataforma. Aqui também são definidos os métodos de levantamento, frequência e forma de publicação dessas informações. O líder técnico Eduardo Pezzi está à frente desta ação, que deve iniciar após concluída a etapa de mapeamento. MINERAÇÃO DE DADOS CRIAÇÃO PLATAFORMA As etapas do projeto da Experiência em Turismo A interpretação de dados é a etapa que consiste em entender de que maneira eles podem ser utilizados para subsidiar a tomada de decisão. Um Dashboard com os principais resultados da análise de dados poderá ser disponibilizado, contando com a funcionalidade de filtros para visualização das informações por município, além do cruzamento de informações. Eduardo Pezzi também conduzirá esta fase, que deverá iniciar após a de Mineração. INTERPRETAÇÃO DE DADOS O último pacote de trabalho é a criação da plataforma. A infraestrutura necessária já deve estar definida, assim como quais atores promoverão a sustentabilidade da plataforma nos próximos anos. O líder técnico para esta frente é o Eduardo Pezzi e contará com todas as instituições engajadas na fase de conexões e parcerias. Na etapa de mapeamento, estão sendo avaliados criticamente os levantamentos de informações necessárias, além do alinhamento delas com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da ISO 37122, referente aos indicadores da cidade inteligente. Como entrega desta ação, se definirão as atividades de coleta das informações. À frente dessa iniciativa, está a líder técnica Prof. Ana Cristina Fachinelli Bertolini, representante da Universidade de Caxias do Sul e do Observatório de Cidades Inteligentes. MAPEAMENTO As etapas do projeto de Cidades Inteligentes O primeiro ciclo da estrutura funcional está sendo construído para o tema da Mobilidade, validado pelos atores representantes do Observatório de Cidades Inteligentes, do Mobility Hub do Instituto Hélice, do Trinopolo e do Projeto São Pelegrino. Nesse sentido, um workshop para exploração das perguntas de pesquisa de interesse comum está planejado para o mês de maio. Após, a validação dos dados pelo Observatório de Cidades Inteligentes gerará subsídios para um processo de inovação aberta proposto como ideação, solução e aceleração de produtos, serviços ou negócios. Os desdobramentos dessa etapa foram conduzidos pelo líder executivo Thomas Job Antunes do Instituto Hélice. ESTRUTURA FUNCIONAL Na educação tecnológica, observamos a necessidade do nivelamento entre os atores regionais sobre os conceitos da cidade inteligente, como os ODS e a ISO 37122. O plano de ação também está sendo construído para contemplar a sensibilização do poder público sobre o tema e a participação de múltiplas instituições no processo de capacitação. Essa ação vem sendo conduzida em parceria com a Faculdade da Serra Gaúcha, representada pelo Prof. Rafael Perini. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA A frente de trabalho do engajamento local, liderada por José Paulo Soffredi Soares e Rogério Rodrigues (Mobi Caxias), tem por objetivo promover a divulgação dos principais resultados que estão sendo e virão a ser alcançados pelo Hub, gerando visibilidade e credibilidade da governança local, além de novas conexões. Neste momento, está se estruturando uma equipe que tenha as competências para assumir esse desafio.